Conselho para estudantes que querem fazer um estágio no Brasil!

Amandine, você é um estudante em negócios internacionais e durante seus estudos universitários no exterior, no Rio de Janeiro, para a agência francesa de desenvolvimento internacional: Ubifrance. Eu tenho um preço no final de uma licenciatura em negócios internacionais e antes de iniciar o meu mestrado. Eu encontrei este estágio graças às pessoas que conheci no local que trabalhavam.

Eu fiz primeiro um diploma de bacharel, depois uma aula literária preparatória. Eu sempre fui apaixonado pelo Brasil; Então eu decidi mudar de curso e morrer para o comércio internacional para poder trabalhar com o país depois de ter sempre tido muitos interesses. Comecei meu segundo ano no ISCID-CO, e fui para um intercâmbio universitário no Rio de Janeiro no último semestre do meu terceiro ano.

Durante meu estágio na Ubifrance, organizei o Pavilhão Francês na Brasil Offshore 2013. É um trabalho dentro de uma equipe de cinco pessoas e muito próximo das empresas francesas e brasileiras.

Qual é o custo de vida no Rio? Você tem ajuda financeira?

O custo de vida no Rio é caro. O Brasil é o país mais caro da América Latina e o Rio, uma das cidades mais caras do país. Em média, para um estudante é necessário contar um orçamento de 1000 € / mês. Arredores 300 a 400 € para um quarto em um companheiro de quarto no distrito sul da cidade (Copacabana, Arpoador, Ipanema, Botafogo, etc.).

Ajuda Financeira

O preço da comida é acessível. Os cariocas também costumavam comer fora a qualquer hora do dia. Eu não tive ajuda financeira do Brasil, só ajuda francesa (bolsa social, bolsa de mobilidade …)

Como trabalhar no Brasil? Quais diferenças com a França?

No Brasil, os contatos geralmente são muito menos formais do que na França. Por exemplo, um chama seu cliente / parceiro / fornecedor pelo seu primeiro nome, e a familiaridade é de rigueur. Relações profissionais são muito mais um substituto para um relacionamento amigável em que um está interessado no outro e não apenas no negócio com o qual se está lidando. Os brasileiros também estão muito menos focados em horários.

Não que eles trabalhem menos ou mais, eles apenas fazem coisas diferentes em momentos diferentes, mesmo em horários de trabalho. Devemos também levar em conta que no mundo dos negócios, como no cotidiano, os brasileiros dizem “não” com dificuldade. Devemos aprender a decodificar a verdadeira polidez “sim” e “sim”.

Você já teve choques culturais no Brasil?

Há muito tempo fui apresentado à cultura brasileira e não tive grandes choques para falar. Há muitas diferenças culturais, especialmente em relação à comida (brasileiros comem pizzas de chocolate, banana e queijo … por exemplo), ou horários (o almoço carioca é às 17h, começamos às 8h da manhã, e não vá ao disco antes das 2h). Muitas pequenas coisas que são diferenças e que fazem a riqueza do intercâmbio cultural!

O que você mais gosta lá? O que você menos gosta?

O que mais gosto no Brasil são pessoas. Eles estão sempre de bom humor e amam a vida. Os brasileiros são muito calorosos, mas no Rio de Janeiro, leva um pouco de tempo para realmente entrar no círculo de amigos de um carioca. Além disso, há sempre mil coisas para fazer, sair, ir à praia, fazer um churrasco ou fazer uma caminhada.

Inscrições

É impossível ter uma vida no Brasil, você sempre tem que estar cercado e fazer coisas novas. Eu gosto da simplicidade das pessoas, que no Rio realmente têm um estilo de vida “cool”. Eu também gosto do clima; é quase sempre bom, e na minha opinião é realmente uma vantagem! Os brasileiros não gostam de ficar calados em casa, nem eu, e sempre há muito o que fazer fora.

Eu também gosto do fato de que o Brasil é um país complexo, com importantes questões sociais e econômicas hoje. Quando estamos lá, o dinamismo do país é quase palpável, sentimos que as coisas estão se movendo, as pessoas estão fervendo e estamos enfrentando mudanças profundas. Por outro lado, o que menos gosto é a lentidão e a desorganização do administrativo no Brasil.

Tudo é complicado neste nível. Você precisa de muitos papéis, e isso nunca acaba. Eu também menos gosto do sentimento de insegurança e desigualdade que às vezes pode prevalecer. Tenha sempre em mente que o Brasil é um país de contradições, e você tem que aprender a conviver com isso.