Encontrar um emprego sem estudar no Brasil? Não é tão simples!

“Eu tinha esse sonho em mente e sempre quis tentar a minha sorte aqui”. Paula, 29, um filho na Espanha deixou Natale em janeiro passado, mais para se juntar ao grande latino-americano paga, o Brasil. “Um país de oportunidades”, diz ela.

Depois de três anos trabalhando em um escritório de arquitetura, a jovem, formada em engenharia civil, filho, decidiu trabalhar no Brasil. “Eu tive a oportunidade de ir lá várias vezes como turista”, diz Paula. Apesar da proximidade lingüística do inglês e do espanhol, está listado o curso de inglês Dañs no centro de uma grande publicação intercultural, a South University of Payor.

Com mais de um em cada dois espanhóis desempregados, encontrar uma façanha fica do outro lado dos Pireneus. Cursos repetitivos, biscates, solidariedade familiar, tempos difíceis. E como Paula, eles são cada vez mais numerosos para experimentar a aventura: atravessar o Atlântico, em direção ao Brasil. Eles são engenheiros, arquitetos e até estudantes.

Oportunidades de estudos no Brasil

Como resultado, o número de cidadãos espanhóis trabalhando no Brasil quase dobrou desde o início da crise em 2008. Eles seriam quase 110.000, atraídos pela boa saúde econômica do país que está se preparando para organizar o futebol da Copa do Mundo. no próximo ano e nos Jogos Olímpicos de 2016.

Local de prova

Chegado ao Rio de Janeiro há um ano e meio, Imanol, de 27 anos, acredita em suas chances de sucesso. Após um ano de intercâmbio universitário na futura cidade olímpica, ele fez um estágio em uma empresa de arquitetura. “Na Espanha, não encontraria oportunidades profissionais no meu setor”, diz o estagiário de Madri.

Procedimentos administrativos

De fato, os procedimentos administrativos são muitas vezes uma barreira para a contratação em um país que contaria mais de um terço dos empregados não registrados de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Poucas empresas estão prontas para tomar medidas para regularizar trabalhadores estrangeiros.

Apesar do anúncio de um projeto de reforma sobre a questão do trabalho de estrangeiros, os pedidos de visto de trabalho permanecem lentos e complexos. Além disso, os procedimentos administrativos não são claros. “O Brasil não reconhece necessariamente meu diploma e a informação sobre vistos nem sempre é confiável”, diz Paula.

Não é incomum que o Consulado e o Ministério do Trabalho exijam mais de dezenove documentos autenticados por tradutores oficiais. Sem a ajuda de um advogado, pode levar até seis meses. O visto permanente, uma vez que o contrato está no seu bolso, pode ser obtido após quatro anos de presença no território brasileiro. Isso é suficiente para esfriar muitos empregadores e desencorajar os trabalhadores estrangeiros mais motivados a se mudarem para o outro lado do Atlântico.

Os pedidos não vacilam até agora. Casela Maria Luisa Marin, diretor da Câmara Espanhola de Comércio em São Paulo, disse que o site InfoMoney econômica que a Câmara de Comércio recebeu mais de uma centena de retoma de um mês de profissionais espanhóis dispostos a encontrar um emprego no Brasil. A maioria é de técnicos nos setores de energia e engenharia civil.

“As empresas brasileiras precisam desses profissionais e atualmente estão desempregadas na Espanha”, afirma o diretor. Os setores de tecnologia da informação, saúde e construção também estão em escassez de mão-de-obra qualificada.

Trabalho não declarado e casamento branco: o espectro da ilegalidade

Após quatro meses de pesquisas sem sucesso, Paula finalmente viu seu sonho se tornar realidade. O jovem engenheiro acaba de ser contratado em uma empresa espanhola prestes a abrir um escritório no Brasil. Só que a empresa deve primeiro recrutar dois outros brasileiros.

Empregos

Porque a contratação de um estrangeiro não pode ser feita se pelo menos 90% do pessoal da empresa for brasileiro. Esta é a regra, e o jovem espanhol deve trabalhar sem um documento enquanto espera para regularizar sua situação. “É difícil”, explica ela.

A outra opção mais arriscada é o casamento branco. Segundo o jornal espanhol El Pais, entre 2009 e 2010, os pedidos permanentes de visto relacionados ao casamento com um parceiro brasileiro aumentaram em 95%. Embora seja difícil medir a proporção de sindicatos fraudulentos, parece que a situação econômica na Europa está levando muitos jovens a optarem por essa prática fora da lei.

Encontrar um parceiro para um casamento arranjado seria negociado em torno de 3.000 reais, ou cerca de 1.200 euros, segundo o diário espanhol. Esta não é a ordem do dia para Paula, que pretende obter seu visto de trabalho sem ter que passar por ele, para aproveitar o desenvolvimento do mais latino das economias emergentes.